COR PULMONALE EM ARDS

   No estudo Incidence and prognostic value of right ventricular failure in acute respiratory distress syndrome que teve como objetivo analisar a incidência e o impacto da falência ventricular direita em pacientes com ARDS e foram verificados que em 9,6% dos pacientes ela estava presente. A mortalidade foi de 68% nos 90 dias, porém sem diferença em comparação com os pacientes sem falência de ventrículo direito.

   O interessante que os pacientes que apresentaram a falência de ventrículo direito apresentaram um volume corrente maior e pressão de platô maior.

 

   A definição da falência de ventrículo direito foi definida no estudo por:

 

  • Uma pressão pulmonar média de 25 mmHg

  • PCV > PAOP

  • Um índice de volume sistólico de 30 ml m-2

TABELA 2.png

RVF - : Sem insuficiência ventricular direita

RVF + : Com insuficiência ventricular direita

   Como podemos notar nesta tabela o grupo que desenvolveu falência ventricular direita teve uma tendência a apresentar volume corrente maior com significância estatística em relação ao outro grupo. A complacência era outro dado com diferenças importantes, sendo muito menor no grupo que desenvolveu a falência, assim justificando uma valor maior de pressão de platô neste grupo. 

   A pressão média de artéria pulmonar era outro dado que apresentou-se maior neste grupo. São dados interessantes que devem ser bem analisados para uma conclusão adequada.

tabela 3.png

   Nesta tabela temos dados das características dos sobreviventes e não sobreviventes. A incidência de falência ventricular direita foi semelhante em sobreviventes e não sobreviventes. A relação PaO2 / FiO2 e complacência estática foram significativamente menores nos não sobreviventes. A PaCO2 foi significativamente maior em não sobreviventes. A PAM e SvO2 foram significativamente menores nos não sobreviventes. A incidência dos níveis de lactato sanguíneo de choque e no momento da coleta de dados foram maiores em não sobreviventes.


 

   Portanto será que a falência ventricular direita (cor pulmonale agudo) tem importância nos pacientes com ARDS.

 

   Será que:

 

  • O Vt limitado pode ser responsável por diminuir Cor pulmonale agudo?

  • A limitação do platô tem real importância?

  • Qual o papel da PEEP em promover abertura de alvéolos e melhora a resistência vascular pulmonar?

  • A hipercapnia permissiva poderia contribuir para o Cor pulmonale?

 

   Devemos refletir!